DESCONHECIMENTO E INDISPONIBILIDADE DAS FRUTAS NATIVAS DA MATA ATLÂNTICA CONTRIBUEM COM HÁBITOS ALIMENTARES RESTRITOS E SEM DIVERSIDADE

  • Alexander Georges Meytre Junior IFSP Câmpus Suzano
  • Lais da Silva Oliveira IFSP Câmpus Suzano
  • Luiz Teruo Kawamoto Júnior IFSP Câmpus Suzano
  • Sivanilza Teixeira Machado IFSP Câmpus Suzano

Resumo

Este estudo tem como objetivo investigar a percepção dos consumidores em relação as frutas nativas da Mata Atlântica da Região do Alto Tietê para compreensão do cenário atual. Para tanto, foi elaborado um questionário com 16 questões, sendo treze fechadas e três abertas, aplicados para 234 pessoas. Os principais resultados obtidos indicam que 80% dos participantes não incluem as frutas CAJU (Cambuci, Araçá, Juçara e Uvaia) na sua alimentação. Além disso, com aplicação de Cluster hierárquico, utilizando a distância euclidiana, obteve-se a formação de 03 cluster em relação ao consumo de frutas: C1 (banana, maçã, limão e laranja), C2 (açaí) e C3 (cambuci, juçara, uvaia e araçá), e por meio da análise K-Means foi possível classificar os participantes entre consumidores de hábitos alimentares normais (CHAN), consumidores de hábitos alimentares peculiares (CHAP) e os consumidores de hábitos alimentares restritos (CHAR). Dessa forma, conclui-se que as estratégias de comercialização e divulgação das frutas nativas da Mata Atlântica, pode favorecer a diversificação dos padrões alimentares dos brasileiros, como a disponibilidade dos produtos no mercado aumentando a possibilidade de aquisição.


 

Publicado
Ago 22, 2020
Como Citar
JUNIOR, Alexander Georges Meytre et al. DESCONHECIMENTO E INDISPONIBILIDADE DAS FRUTAS NATIVAS DA MATA ATLÂNTICA CONTRIBUEM COM HÁBITOS ALIMENTARES RESTRITOS E SEM DIVERSIDADE. South American Development Society Journal, [S.l.], v. 6, n. 17, p. 269, ago. 2020. ISSN 2446-5763. Disponível em: <http://www.sadsj.org/index.php/revista/article/view/334>. Acesso em: 24 set. 2020. doi: http://dx.doi.org/10.24325/issn.2446-5763.v6i17p269-285.