CONTROLE DO TEMPO DE PERMANÊNCIA MÁXIMA E ININTERRUPTA EM UMA MESMA VAGA NO ESTACIONAMENTO ROTATIVO PAGO NA CIDADE DE SUZANO

  • José Batista de Souza
  • Ricardo de Oliveira
  • Régis Cortez Bueno

Resumo

O intenso fluxo de veículos circulantes pela malha viária do centro comercial no município de Suzano e que são potenciais consumidores para a região acaba se transformando em perdas, pois, a dificuldade em conseguir vaga para estacionar tem influenciado negativamente no comércio da cidade.  Para abrandar essa situação é operado o sistema de estacionamento rotativo pago na região de maior concentração do comércio. Mas, o fato é que esse sistema não tem cumprido sua real finalidade de garantir rotatividade dos veículos ao encerrar o tempo máximo de permanência e ininterrupta em uma mesma vaga, portanto, descaracterizando seu propósito e reduzindo a efetiva quantidade de usuários por vaga durante a operação do sistema. Dessa forma, esse estudo visa identificar os gargalos e propor possíveis melhorias na operação do sistema, e, para isso fora desenvolvida pesquisa exploratória e quantitativa que contou também com entrevistas de campo, sendo que, após análise minuciosa dos resultados concluiu-se por sugerir que a área operada pelo sistema seja dividida em quadras numeradas, sendo essa numeração anotada em campo específico no ticket e ou aplicativo para conferência permanente dos monitores, garantindo assim maior rotatividade na utilização dessas vagas e aumentando a eficiência do sistema, consequentemente, dinamizando o acesso do consumidor ao comércio da região e potencializando essa importante fonte de receita do município.

Publicado
Abr 10, 2020
Como Citar
DE SOUZA, José Batista; DE OLIVEIRA, Ricardo; BUENO, Régis Cortez. CONTROLE DO TEMPO DE PERMANÊNCIA MÁXIMA E ININTERRUPTA EM UMA MESMA VAGA NO ESTACIONAMENTO ROTATIVO PAGO NA CIDADE DE SUZANO. South American Development Society Journal, [S.l.], v. 6, n. 16, p. 335, abr. 2020. ISSN 2446-5763. Disponível em: <http://www.sadsj.org/index.php/revista/article/view/307>. Acesso em: 06 ago. 2020. doi: http://dx.doi.org/10.24325/issn.2446-5763.v6i16p335-350.